Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

goncalves-portrait-2.jpeg.crdownload

 

Passou praticamente despercebido, sem nenhuma referência nos órgãos de comunicação social ou acto comemorativo, os 120 anos do nascimento do escritor António Aurélio Gonçalves, sem dúvida, um dos maiores escritores de Cabo Verde.

 

O conto volta atrás

 

No ano passado, escrevia no Expresso das Ilhas n.º 983 de 30 de Setembro de 2020, jornal que vem assinalando com regularidade a data do nascimento de Nhô Roque (António Aurélio Gonçalves), com destaque para a celebração do seu 115.º aniversário, alertando para a necessidade de se assinalar a efeméride dos 120 anos do nascimento desse escritor a acontecer em Setembro de 2021:

 

«2021 vai ser o ano do 120.º aniversário do nascimento do escritor claridoso António Aurélio Gonçalves (São Vicente, 25 de Setembro de 1901 – 30 de Setembro de 1984) cuja efeméride espera-se seja celebrada dignamente pela Universidade Pública, Universidade do Mindelo, Biblioteca Nacional e Câmara Municipal de São Vicente».

(…)

Uma iniciativa louvável seria, igualmente, a Câmara Municipal de São Vicente colocar uma estátua desse escritor na praça com o seu nome, Parque Nhô Roque, situado junto à Avenida Marginal e à Baía do Porto Grande. Esse parque é um projecto da sociedade civil que nos fins dos anos 80 envolveu empresas e personalidades de São Vicente e que aguarda desde essa altura uma estátua de Nhô Roque.»

 

Dia de Comemoração

 

António Aurélio Gonçalves, o nosso Nhô Roque, intelectual orgânico, porque activo e crítico nas mais diversas áreas – prefácios de livros, seminários de literatura no Curso de Formação de Professores do Ensino Secundário, artigos em revistas como Ponto & Vírgula, conferências e a própria divulgação de conhecimento e de informação a quantos o procuravam em casa ou em qualquer lugar onde estivesse – praticamente até à sua morte.

 

Essa data deve ser de reflexão sobre o estado da arte da literatura cabo-verdiana, seu percurso, sua situação actual e suas perspectivas. A verdade é que Cabo Verde tem hoje dois Prémios Camões, o poeta e ficcionista Arménio Vieira e o romancista Germano Almeida, prémio pouco potencializado, diga-se; alguns bons escritores, mais conhecidos e traduzidos lá fora, que entre nós, isso para não me referir às comunidades emigradas, onde ainda não conseguimos colocar os nossos produtos culturais; e uma geração nova de escritores, procurando, por isso, afirmar-se de fora para dentro.

 

Quando a nova geração, a dos nossos filhos e netos, cheia de potencialidades, é visual e de rapidez, e a velha, a nossa, está morrendo, ficam-me algumas angústias que quero aqui compartilhar em forma de questões: (i) se os nossos alunos do ensino básico e secundário e os nossos estudantes do ensino superior lêem e estudam a nossa literatura e os nossos autores; (ii) se existe uma política explícita, coerente e efectiva da promoção do livro e do escritor cabo-verdiano, no país, residente ou não, e no estrangeiro; (iii) se existe uma política de apoio à produção e edição gráfica; (iv) se temos um mercado de produção editorial, só para enunciar algumas.

 

Obras

 

António Aurélio Gonçalves, novelista, crítico, ensaísta e figura de destaque das letras cabo-verdianas, é autor de:

 

  • Aspecto da Ironia de Eça De Queiroz, ensaio, 1937;
  • Recaída, 1947; reimpressão: 1993, Lisboa, Editora Veja;
  • Noite de Vento, 1951; 2.ª edição: 1985 e 3.ª edição: 2020; com prefácio de Arnaldo França;
  • Virgens loucas, 1971;
  • Terra da Promissão, 1998; reimpressão: 2002, Lisboa, Editorial Caminho; com prefácio de Arnaldo França.

 

Sodade de nôs professor | Nôs home di povo

 

Cónde el parti

Céu di Mindelo toldá di um n´ba scuro

Sê partida

Foi pa nôs um golpe bem duro

Grande c’piqnim

Tude maguóde co sês tristeza e dor

Tchorá sodade de Nhô Roque

Sodade de nôs professor

Nôs home di povo

 

Distino levál

Pa sê mundo

Êl dixá povo

Num dor profundo

Final d’um trecho

Di nôss história

Scrito co pena

E letra di oro

Cabo Verde tchorá

Sodade de Nhô Roque

 

Manel de Novas, Morna “Sodade de Nhô Roque”, 1984

 

Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Brito-Semedo

    Nha Bro. Efésios, capítulo 4, versículo 11: “E E...

  • Daniel Monteiro

    Meu caro Brito Semedo, apenas para dizer um 'bem h...

  • Brito-Semedo

    Caro Amigo Amante da Rosa,Desde miúdo que me impre...

Powered by