Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Frank Cavaquim

Brito-Semedo, 5 Jan 13

 

Frank Cavaquim.jpeg

 

 

Francisco Vicente Gomes nasceu em Santo Antão a 3 de Julho de 1927.

 

Na sua infância em S. Vicente, para onde veio viver com a família, cedo começou a fazer parte de pequenos conjuntos, tendo convivido com quase todos os músicos de S. Vicente.

 

Puseram-lhe o nome de Frank Cavaquim por ser exímio tocador desse instrumento.

 

Era conhecido pelas belíssimas coladeras, pois tinha facilidades e tempo para observar o dia-a-dia mindelense, as peripécias do amor, as suas “riolas” e as suas rivalidades.

 

Nos anos 60 emigra para a Holanda tendo participado em vários conjuntos cabo-verdianos com destaque para o conjunto "Voz de Cabo Verde".

 

Era uma figura humilde e discreta, de rara sensibilidade revelada nas poucas mornas que produziu. Porém, de uma aguçada e perspicaz ironia, fazendo dele um dos mais sarcásticos letristas e compositores de coladera.

 

Viria a falecer em Mindelo a 5 de Maio de 1993 deixando imensas saudades em todos aqueles que o conheceram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 comentário

De M Conceição Fortes a 05.01.2013 às 02:51

Conheci o Frank Cavaquim eu ainda era uma criancinha. Frequentou muito a nossa casa quando integrava o conjunto Benitómica (Ti Fefa (Alfredo d'Carmo/meu pai ao clarinete, Frank no Cavaquim, Djack Strilinha no cornetim,Ti Goi, Knick, Lela Preciosa, Sérgio, etc. Quem não se lembra daqueles bailes? Quando os bailes terminavam, todos os instrumentos eram guardados na nossa casa no Alto Mira-Mar e ainda me lembro das serenatas que a pequenada lá de casa tentava fazer de manhã ao acordar. Eram cordas de violas, de cavaquinho e de rabecas rebentadas, eram palhetas de clarinete extraviadas, enfim era uma autêntica paródia que por vezes resultava em sovas e/ou raspanetes ao único rapaz da irmandade. Até hoje me pergunto, porque é que nenhum de nós aprendeu a tocar, a não ser campainha de portas.

Por ironia do destino, em 1998 o Frank e o meu pai partilharam a mesma enfermaria no Hospital Baptista de Sousa, com visitas diárias do Luís Morais. Sempre apreciei a solidariedade entre esses nossos artistas. Que Deus os tenha em sua guarda!

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Anónimo

    Vénias minhas.

  • Anónimo

    Fico agradecido com a sua resposta.Estamos no exer...

  • Brito-Semedo

    Estimado Domingos Andrade,Muito obrigado por se te...

subscrever feeds

Powered by