Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

 

Brinde.jpeg

Desde o primeiro post, “Esquina das Estórias”, datado de 15 de Fevereiro de 2010, até hoje, 15 de Fevereiro de 2011, este blogue tem feito um percurso significativo e alargado os seus objectivos. De um blogue criado inicialmente com o propósito de divulgar as crónicas do seu autor, publicadas no livro Na Esquina do Tempo – Crónicas de Diazá (Praia, 2009), ensaios literários e de reflexão sobre temas da cultura e textos inéditos ou esquecidos de escritores como Guilherme Dantas (Brava, 1849-1888) e Pedro Cardoso (Fogo, 1890-1942), o Na Esquina do Tempo foi-se transformando gradualmente numa “esquina de estórias” múltiplas, do cinema à culinária, dos livros à filatelia, dos contos e crónicas à numismática, da notícia à agenda cultural.

 

O amigo e leitor assíduo deste blogue, Jorge Joe Martins, a viver na Ilha da Diáspora, em Lisboa, chegou a comparar o Na Esquina à Rua de Lisboa, principal artéria da cidade do Mindelo, lugar de passagem obrigatória do mindelense que quer saber as novidades do dia e da ilha!

 

O Jornal “A Nação”, na sua edição N.º 175, de 6-12/01/2010, referindo-se às novidades na blogosfera caboverdiana no ano de 2010, indica este blogue como um “espaço que tem sido utilizado sobretudo na divulgação literária, cinematográfica e da produção intelectual de índole nacional”.

 

O Sapo Internacional, que aloja este blogue no seu servidor (Sapo.cv) e lhe fez, em Abril, um layout exclusivo, tem-no colocado no Homepage dos Blogues e já destacou 12 dos seus posts no Homepage da Sapo-cv, o que fez disparar as visitas e a visualização das suas páginas para um número nunca antes atingido.

 

Por meu lado, manter este espaço como um lugar de partilha e com um certo pulsar, fazendo dele uma montra da nossa cultura, com o avivar da memória, destacando figuras e factos da nossa história próxima, mas já a caminhar para o esquecimento, tem-me dado algum trabalho (mais do que inicialmente previsto), mas também muito gozo. O grande desafio agora é manter o Na Esquina com esta dinâmica.

Tenho recebido o estímulo, a colaboração e o apoio de muitos amigos e leitores assíduos, com pesquisas, sugestões e mesmo textos, como foi do caso dos depoimentos sobre o Eden Park, e o envio de material ou a indicação de links de interesse. Graças a isso, o Na Esquina tornou-se no que é hoje.

 

É assim que o Na Esquina já editou 246 posts e registou 477 comentários. As visitas foram, até hoje, para cima de 24.000, das mais diversas proveniências, da Argentina à Nova Zelândia, dos Estados Unidos à China, numa cobertura regional de 76 países/regiões, tendo sido acedido a partir de mais de 950 cidades, com Praia (9.100 visitas), Lisboa (3.000 visitas), S. Paulo (790 visitas), Amadora (580 visitas), Porto (550 visitas) e Rio de Janeiro (450 visitas) liderando, com visualizações de páginas na ordem das 44.000. De referir que esta contagem é feita a partir de 17 de Março de 2010, data de colocação do contador do Google, isto é, um mês depois da criação deste “espaço”.


Como novidade para esta nova fase, o Na Esquina estabeleceu uma parceria especial com a Praia FM 2-Rádio Cultura (104.1) para a criação de uma rubrica semanal "Crónicas de Diazá", cujo programa n.º 1 foi para o ar ontem, segunda-feira, dia 14, Dia dos Namorados, com repetição durante toda a semana, em diferentes horários. Estas crónicas estarão disponíveis num player aqui, na lateral do blogue. Outra novidade será a publicação de "Memórias de Carnaval de SonCent", à semelhança do que se fez com o tema Eden Park (rever aqui e aqui), com depoimentos e fotografias de alguns leitores amigos.

 

Brinde.jpeg

Por tudo isso, só me resta agradecer a dedicação e a fidelidade de todos.

 

Levantemos a nossa flute de champanhe e façamos um brinde:

 

– Aos leitores! E longa vida ao Na Esquina!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

21 comentários

De FARAHILDA LIMA a 23.04.2011 às 22:09

Porque não uma Casa da Memória de São Vicente?
Até porque cada vez que um passante se encostar na ESQUINA para um dedo de prosa detardinha as memórias vão sendo recolhidas quase sem se dar por isso. Algumas até já estão documentadas (textos, fotos). Mas muita coisa estará em albuns, estantes, gavetas, arrecadações, cozinhas, quintais !!!... 
Imaginem isso tudo numa sala emblemática da ilha. O exemplo do Fogo está lá para ser seguido. Desafio o «mocim de soncente» para pensar nisso

De Brito-Semedo a 23.04.2011 às 23:09

Sim, porque não uma Casa de Memórias em S. Vicente?! Quando penso, por exemplo, em toda a criatividade do Carnaval, também penso que é preciso uma casa para preservar isso. S. Vicente merece e, de facto, teremos de ser nós os "mocins" e "mnininhas" de SonCent a pegar nisso. Um grande desafio, não restam dúvidas. Um braça e votos de Feliz Páscoa!

Comentar post

Pág. 2/2

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by