Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Capa Boas Festas Luís Morais.jpg

 

Há 55 anos que o Boas Festas de Luís Morais é tocado em todas as rádios e passado nas televisões nacionais, ano após ano, durante toda a época festiva. Começa a ser ouvido no dia 1 de Dezembro e é como que o anunciar de que as Festas de Natal e de Fim d’Óne chegaram.

 

Nharmon Manel

Tem um bode motche capode

El tel marrod

Na ladirinha di Mon pa Trás

 

No ta p’di Deus

Pa dal um morte desembraçod'

Que pa nô ba cmel

Q'mandioca fresca di Sinagoga

 

“Boas Festas”, Canção tradicional

 

Este é um fenómeno, de que não se sabe explicar, de como o povo criou um ícone musical ligado a uma época festiva e que já se tornou uma tradição. Tanto é que já ninguém se lembra de como eram essas festas antes de existir a gravação do Boas Festas, em 1967, tão entranhado que está na tradição do povo.

 

Nestas Festas, levantemos as nossas taças e façamos um brinde e uma tríplice homenagem: ao genial Luís de Musa e seu clarinete de ouro; ao prestigiado conjunto Voz de Cabo Verde; ao Djunga de Biluca, patrão da Morabeza Records. Saúde! Saúde! Saúde!

 

Luís de Musa – Luís Morais (São Vicente, 1935 – 2002), instrumentista (sopro), compositor, arranjador, regente, professor.

 

Lembrado ano após ano pelo Boas Festas, tema tradicional do Natal para o qual fez um arranjo e gravou em 1967.

 

Luís Morais teve uma “vida musical multifacetada, como intérprete a solo, compositor de letra e música, líder de grupos, regente de banda, professor… Veio duma família de músicos em que todos tocavam instrumentos de sopro, especialidade em que se tornou o expoente máximo na música cabo-verdiana” (Nogueira, 2016).

 

Voz de Cabo Verde – Fundado em Roterdão em 1966 e integrado por Luís Morais, Frank Cavaquinho, Jean da Lomba, Toy Ramos e Morgadinho (Bana e Djosinha como vocalistas, em diferentes momentos), viria a ser um dos mais célebres grupos musicais de Cabo Verde e com uma vasta discografia gravada.

 

Celebrizado nos anos 1960, o grupo desdobrou-se até 30 anos depois, Voz de Cabo Verde I (1966-1970), Voz de Cabo Verde II (1972-1985), Voz de Cabo Verde III (2002-2003).

 

Djunga de Biluca – João Silva (São Vicente, 1929-). Fundador da primeira editora cabo-verdiana, Morabeza Records, em Roterdão, em 1965, tendo editado 40 LP na segunda metade dos anos 1960 e início dos anos 1970, o que faz dele uma figura incontornável na história da música de Cabo Verde. É, para além disso, compositor, tendo letras musicadas por Luís Morais, Tazinho e Bonga.

 

Djunga de Biluca tem as suas memórias registadas no livro De Ribeira Bote a Rotterdam, 2009.

 

Em Dezembro de 2015, o Governo declarou o 'Boas Festas' "património histórico e cultural nacional".

 

https://poligrafo.sapo.pt/video/uwVqzh2KLykzB0CL9jCe

 

Luís de Musa, toque Boas Festas mais uma vez!

 

Nharmon Manel

Tem um bode motche capode

El tel marrod

Na ladirinha di Mon pa Trás

… … … …

 

https://www.youtube.com/watch?v=ki2wExu5v5o

 

 

Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Garcia Baxe

    Chamo-me Garcia Baxe “Kekas Baxe”, bailarino e cor...

  • Anónimo

    Se Simão nasceu em 1842, e o naufrágio foi em 1853...

  • Joelson Leal

    Sr. Brito, o senhor sabe quem escreveu a música "R...

Powered by