Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Porto Memória.pdf

 

2000_5000e_Frente.bmp

2000_5000e_Verso.bmp

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

– Em homenagem à Poetisa Gertrudes Ferreira Lima [Tolentino], a Humilde Camponesa, este buquê de flores.

 

 

Neste mês da Mulher, da Árvore & Poesia, evoco e homenageio todas as mulheres cabo-verdianas na pessoa da poetisa Gertrudes Ferreira Lima [Tolentino] (Santo Antão, 1854 – 1915).

 

Buquê di flor

Ta falta’m jeite p’oferecebe

Andâ cu bô braçado

Ta fadja’m compass

Má nem por isse

Ca parce’m si na mundo

Tem amor maior!

 

Si nhas bêjin

É só na hora di nôs dôs

E nhas carinho

Guardado só pa um momente

Má nem por isse

Ca parce’m si na mundo

Tem amor maior!

 

Quem qui ca da valor

Nôs amizade

Ca sabê qui amor

Di palco é fingide

Ma qui ta conta é sentimente

Ma qui ta conta é quel di coraçon

 

– Morna “Nôs Amizade”, Adalberto Silva ‘Betú’, 2003

 

Março, mês terceiro do calendário gregoriano

 

8 de Março - Dia Internacional da Mulher

19 de Março - Dia de São José (patrono da Igreja, dos pais e dos carpinteiros)

21 de Março

  • Dia Internacional contra a Discriminação Racial
  • Dia Internacional da Síndrome de Down
  • Dia Mundial da Floresta (Dia Mundial da Árvore)
  • Dia Internacional da Poesia

22 de Março - Dia Mundial da Água

27 de Março – Dia da Mulher Cabo-verdiana

 

Por volta de 21 de Março, o Sol cruza o equador celestial rumo ao norte; é o Equinócio de Março, começo da Primavera no Hemisfério Norte e do Outono no Hemisfério Sul.

 

O nome "março" surgiu na Roma Antiga, quando era o primeiro mês do ano e chamava-se Martius, de Marte, o deus romano da guerra. Em Roma, onde o clima é mediterrânico, Março é o primeiro mês da Primavera, um evento lógico para se iniciar um novo ano, bem como para que se comece a temporada das campanhas militares.

 

Árvore, Poesia & Mulher

 

A Festa da Árvore foi realizada pela primeira vez em Portugal na cidade de Seixal, no dia 21 de Março de 1907, mesmo nos finais da monarquia, que viria a cair três anos mais tarde, mas associada ao ideário republicano, sob a designação de “festa patriótica” ou “festa da árvore”.

 

Em Cabo Verde, melhor, na Praia, conforme o jornal semanário “O Futuro de Cabo Verde” (Praia, 1913-1916), de 7 de Maio de 1914, a Festa da Árvore, em tudo parecida com a festa de Seixal, foi realizada a 1 de Maio, tendo a Praça Alexandre Albuquerque, “vistosamente ornamentada”, sido o palco escolhido para esse efeito. O momento mais aguardado do acto, presidido pelo Governador Joaquim Júdice Biker (1911-1915), foi a plantação de árvores na praça do Albuquerque, uma por cada escola.

 

Neste mês da Mulher, da Árvore & Poesia, evoco e homenageio todas as mulheres cabo-verdianas na pessoa da poetisa Gertrudes Ferreira Lima [Tolentino] (Ribeira Grande, Santo Antão, 1854 – 7 de Agosto de 1915), a Humilde Camponesa, ou a Obscura Paulense, e reproduzo o seu poema “Esperança” publicado no Almanach luso-africano para 1895, Lisboa, 1894, p. 219, de que foi director o também santantonense Cónego António Manuel da Costa Teixeira (1865 – 1919):

 

A chorar entrei no mundo

A chorar eu sempre estou

Como a ave do deserto

Que tão pobre e só ficou.

 

O nordeste do infortúnio

Matou-me bem cedo a côr

Das rosas da juventude

E legou-me em paga a dor.

 

Não me negues, Esperança,

O teu riso divinal,

É como o doce carinho

D'um coração maternal.

 

Vem segredar-me baixinho

Fallar-me d'um ceo d'anil

Das fontes e das florinhas

Qu'inda verei vezes mil.

……………………

 

São a festiva alvorada

Fulgente d'oiro e de luz

Que a minha vida ilumina

E ao doce bem me conduz.

……………………

 

(Santo Antão - Cabo Verde), Humilde Camponesa (Caboverdeana)

 

Filha de Luís Pedro de Lima e de Carolina Ferreira, Gertrudes Ferreira Lima [Tolentino] foi professora de ensino primário na escola da Garça e impulsionadora do método pedagógico de João de Deus em Cabo Verde. Casou-se com Manuel Jansenio Tolentino a 16-02-1901, com 46 anos, e viveu em Lisboa por volta de 1898. Colaborou com textos poéticos e em prosa em almanaques portugueses. Foi uma poetisa muito apreciada no círculo poético cabo-verdiano.

 

“Dona Gertrudes Ferreira Lima (Humilde Camponesa) – É uma mimosa e inspirada poetisa que tem colaborado neste Almanaque com o pseudónimo de Humilde Camponesa. Seus versos são harmoniosos e sentimentais. Grande admiradora de João de Deus, a Humilde Camponesa, professora distinta, foi quem primeiro ensinou pelo método do grande pedagogo, preenchendo assim uma enorme lacuna no ensino das primeiras letras infantis”. – “Cabo-verdianos Ilustres”, in Almanaque de Lembranças Luso-Brasileiro (Presença Cabo-verdiana), 1901-1932, Vol. II, pág. 43.

 

Gertrudes Ferreira Lima [Tolentino] figura na antologia poética Poetisas Portuguesas. Antologia contendo dados bibliograficos et biograficos ácêrca de cento e seis poetisas de Nuno Catarino Cardoso, Lisboa, 1917.

 

Neste mês dedicado à Mulher, fica uma nota de apreço e admiração muito especial a todas aquelas mulheres, da estirpe da minha Avó Mãi Liza e da Mãi Xanda que, embora analfabetas, forjaram-se Doutoras na escola da Vida! Mulheres que nos ensinaram o que é realmente fundamental para a vida transmitindo-nos valores e fazendo de nós as pessoas que somos hoje. Um bem-haja a todas!

 

 

Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Anónimo

    Era minha tia avo o meu avo était filho mais venho...

  • Pedro

    Caro Professor,A equipa já realizou a transferênci...

  • Pedro

    Caro Professor,só vi a sua resposta ao meu comentá...

Powered by