Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marinheiro Simão Salvador

Brito-Semedo, 29 Mar 14

 

Simão Salvador.png

Foto de Simão Salvador levada para a Inglaterra (IHGB). Pesquisa de Artur Mendes

 

 

Reedito este post com interesse renovado por terem surgido novas informações, nomeadamente, a foto e o retrato do intrépido marinheiro Simão, fornecidos, respectivamente, pelo amigo e colaborador Artur Mendes e a historiadora brasileira Fátima Jussara, formada pela USP/Brasil, que está a pesquisar a pintura "Retrato do intrépido marinheiro Simão" do Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro. 

 

Na plêiade dos filhos ilustres de Cabo Verde figura o indómito lobo do mar Simão Manuel Alves Juliano, natural da Penha de França, da ilha de Santo Antão (1824 - 1856), filho de Manuel Alves Juliano e de Ana dos Santos Pedrinho que, em obediência ao natural impulso de todo o insulano, depressa mostrou desejos de evasão e bem cedo deixou a sua terra natal.  

 

Seu rumo? As terras de Santa Cruz, filhas de Portugal, irmãs gémeas das nossas.  

 

Um ano após a sua chegada ao Brasil, eis o nosso Simão feito marinheiro a bordo do vapor «Pernambucana» que, no trágico dia 8 de Outubro de 1853, numa das suas viagens do Rio Grande do Sul para o Rio de Janeiro naufragou próximo do Cabo de Santa Marta.  

 

Toda a esperança de salvação se havia perdido. O quadro que se oferecia a bordo era desolador. No vapor não havia os socorros precisos e de terra não podiam ser enviados. As ondas encapeladas envolviam o navio e a cada nova golfada do mar mais uma vida era perdida. As dezenas de passageiros que se agarravam uns aos outros sobre a coberta imploravam a salvação, mas inutilmente, porque a morte vinha rápida surpreendê-los, sem que os auxílios de terra pudessem ser prestados. Logo que o navio encalhara, um homem mais arrojado que todos os outros conseguiu salvar-se a nado. Esse homem era o Simão Juliano.

 

Simão Salvador.jpeg

Retrato do intrépido marinheiro Simão, carvoeiro do vapor Pernambucana, cerca 1853. Óleo sobre tela, 93 x 72,6 cm, sem assinatura, transferência, Academia Imperial de Belas Artes, 1890. Autoria de José Correia de Lima

 

Coração aberto a todos os sentimentos bons e nobres, espírito altamente humanitário, não lhe sofreu o ânimo o ver aquelas pobres vitimas entregues à voragem das ondas encapeladas e desprezando a vida que havia já salvo, lançou-se outra vez à água e nadou para o navio. O espaço que tinha a percorrer media talvez 100 metros e o intrépido marinheiro venceu esta distância à força de coragem e de energia e voltou à praia salvando um dos passageiros. O herói não deu a missão por finda. Depois desta vítima salvou outra, outra e outra. Dez vezes se lançou ao mar e dez vezes conseguiu, auxiliado por Deus que o animava, voltar à praia trazendo sempre agarrado um dos pobres náufragos que só encontrava aquele esforço salvador. As forças estavam exaustas. O corpo cedeu à fadiga e o valente marinheiro, prostrado e abatido, caiu por terra. A bordo do navio ainda restavam alguns desgraçados para quem a última esperança se perdia de todo. Na praia, havia uma pobre mulher que chorava, lembrando-se de dois estremecidos filhos que ainda estavam a bordo. Deus inspirou-a e ela dirigiu-se a Simão com os olhos arrasados de lágrimas e a voz embargada pelos soluços e apontou-lhe o navio. O valente atleta que lutara já duas vezes com o oceano enfurecido, lembra-se da pátria, dos seus, e de sua mãe e rolando-se pela areia para dar calor aos membros enregelados e entorpecidos levantou-se e investiu com as ondas. Todos os espectadores estremeceram percebendo todos que a  luta ia ser desesperada, mas momentos depois o arrojado preto voltava trazendo mais uma criatura salva daquela hecatombe.  

 

Não era bastante ainda!  

 

A desventurada tinha outro filho que era preciso salvar e o valente Simão lá voltou ao navio e pouco depois aparecia na praia entregando aos carinhos da mãe a segunda criança!

 

Já nada parecia restar a bordo. Os outros tripulantes e passageiros tinham sido devorados pelo oceano revolto. O navio, meio despedaçado, sossobrava sempre e estava prestes a afundar-se. De súbito, ouve-se um grito aflitivo. Era dado por um pobre cego que ainda existia a bordo e de quem todos se haviam esquecido. O preto Simão olhou ainda outra vez para o mar, escutou os gritos de angústia que se soltavam em torno dele e precipitou-se no meio das ondas, cercado desta auréola divina, que circunda os mártires de uma causa santa e boa. Deus ia com ele e animava-o e Simão voltou são e salvo, trazendo também salvo o pobre cego. Ainda os dois não tinham chegado à praia e já o navio desaparecera de todo. Perto de cem pessoas haviam perecido nessa imensa catástrofe e as treze que tinham escapado deviam a existência ao nosso herói! É impossível contar o que se passou na praia. Simão não era um homem, não era um herói, era um "semi-Deus", e todos se lhe rojavam aos pés beijando-lhos reconhecidos.  

 

O intrépido e denodado Simão Salvador, como desde então passou a chamar-se, à sua chegada ao Rio de Janeiro, onde já era conhecido o seu feito heróico; foi acolhido com ruidosas manifestações de admiração e simpatia. Profundamente emocionado, com os olhos rasos de lágrimas, o bravo Simão mal pode esboçar uma palavra de agradecimento a tanta demonstração de apreço, que lhe era tributada, por onde passava.  

 

Conhecedor do acto de bravura do Simão Sua Majestade o Imperador do Brasil, dignou-se chamá-lo à sua real presença e tratou-o com todas as honras e deferências, conferindo-lhe uma medalha de ouro, (como venera de qualquer ordem do Seu Império) que tem no anverso a sua Imperial Efígie e no reverso o dístico - "Ama ao próximo como a ti mesmo" (Alvará de 9 de Dezembro de 1853).  

 

Das próprias mãos de Sua Majestade o Imperador, recebeu Simão Salvador a medalha. Ao impô-la no peito do valoroso marinheiro o Imperador abraçou-o, enaltecendo as virtudes do homenageado.  

 

As forças vivas da Capital brasileira mandaram erigir um busto na Praça do Comércio e ainda no louvável intento de obter uma contribuição directa do povo, como galardão do inexcedível feito praticado pelo Simão, foi imediatamente aberta, a seu favor, uma subscrição pública que, num  curto espaço de tempo, atingiu a avultada cifra de oito contos de reis, os quais foram postos a juro, para serem recebidos pelo mesmo Simão, no fim de dez anos, reservando-se ao mesmo, no entanto, o rendimento desse tão significativo apelo público.  

 

Não poderia ser indiferente ao Governo Português os relevantes serviços prestados por Simão Salvador e, assim, por Decreto de 14 de Dezembro de 1853 Sua Majestade El-Rei, em «atenção ao acto de heroismo e filantropia que praticara com grande risco da própria vida e em testemunho público do grande apreço em que tem tão relevante serviço prestado ã humanidade» o premiou, fazendo-lhe mercê de uma medalha de ouro, mandada  executar especialmente, a qual contem à frente a efígie de Sua Majestade D. Maria II e no reverso ao centro, entre duas palmas — Ao MÉRITO — FILANTROPIA — GENEROSIDADE e em volta AO SÚBDITO PORTUGUES SIMÃO 7 de Outubro de 1853.  

 

Mas não ficaram por aí as inequívocas provas de reconhecimento pelo heroísmo, abnegação e filantropia do valoroso Marinheiro. Também movido pelo mesmo desejo de agraciar «o distinto, louvável, humano e intrépido comportamento do marinheiro Simão, que por seus extraordinários e quási incríveis esforços salvou das vascas da morte 13 pessoas», a Real Sociedade Humanitária do Porto concedeu-lhe a medalha de ouro de 1ª classe que lhe foi entregue na sessão solene pública de 15 de Abril de 1854.  

 

O já consagrado amor do caboverdeano pelo seu torrão natal não devia deixar de também manifestar-se em Simão Salvador e, assim, quis o mesmo, antes de ir à invicta cidade receber as homenagens que ali lhe pretendiam tributar, vir abraçar os seus velhos e queridos pais.

 

Ao fechar então o ciclo das homenagens os conterrâneos de Simão Salvador não poderam ser de forma alguma, indiferentes ao seu feito e, por isso também honraram o benemérito e notável irmão colocando no salão nobre dos Paços do Concelho da Ribeira Grande uma sua oleogravura, ainda como preito do mais elevado tributo ao mérito.  

 

A figura humanitária de Simão Salvador ladeia, naquele nobre salão as dos venerandos e mais ilustres filhos de Santo Antão — o célebre Químico e Professor da Universidade da Sorbonne Roberto Duarte Silva e o laureado General do Artilharia e distinto matemático Viriato da Fonseca.  

 

CMSA.jpeg

Câmara Municipal de Ribeira Grande, Ponta do Sol

 

Por morte de Simão Salvador, em Ponta do Sol, ilha de Santo Antão, em 1856, a Câmara Municipal do Concelho da Ribeira Grande adquiriu as medalhas do mesmo que, como relíquia, se encontram expostas no Salão Nobre da Câmara, como glória de Santo Antão.  

 

Medalhas Simão Salvador.jpg

 

Praia, 22/XI/49.  

 

Extraído do «Diário Ilustrado», de Lisboa, de 10 de Setembro de 1873, e completado por ALBERTO DE SOUSA  

 

Cabo Verde - Boletim de Propaganda e Informação, Nº 4 - Janeiro de 1950

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De Luiz Silva a 02.06.2013 às 22:44

Num artigo consagrado aos heróis nacionais no Ponto & Virgula (n°9), Baltasar Lopes professor e mestre de varias geraçoes, o homem que certamente melhor definiu a caboverdianidade, referia aos emigrantes como os verdadeiros heróis da Naçao Caboverdiana".  Os heróis caboverdianos como ja' foi dito não nasceram em 1936 com A Claridade e nem em 1956 com a criaçao do PAIGC: os nossos heróis como Simão Salvador ou o Manuel o heroi pescador da pesca da baleia (ver o romance Moby Dick) estão na historia de Cabo Verde ha' mais de duzentos anos. Fazer um inventario desses heróis do mar alto torna-se obrigatoria para a escrita, sem eclusão, duma verdadeira historia de Cabo Verde. Recentemente a Holanda homenageou um heroi caboverdiano da primeira guerra mundial. Vamos para a frente com este inventario e acabar com os mitos de heróis de circunstancias, porque os heróis de Cabo Verde da América a São Tomé e Principe, são muitos e são desconhecidos pelo povo caboverdiano. Em todas as comunidades caboverdianas temos os nossos heróis que precisam ruas e estatuas no coraçao de cada ilha caboverdiana.

Luiz Silva

De Brito-Semedo a 07.06.2013 às 00:00

Caro Amigo, a Esquina do Tempo tem dado provas que se presta a este tipo de inventário e divulgação. O que é preciso é que se faça chegar a ela essas informações e fotos, sendo possível. 'Outro da Esquina do Tempo' é uma rúbrica criada para isso :-). Obrigado por esta sua contribuição e cá ficamos à espera de outras colaborações. Um abraço.

Comentar:

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Pecas0093@gmail.com

    Muitas vezes e cada vez mais, meditando nos Evange...

  • Pedro lima

    O senhor pastor Sanca Gomes viveu uma vida sempre...

  • Pedro lima

    Passando aqui pela «Esquina do Tempo» e lendo esta...

subscrever feeds

Powered by